Fim de semana e oscar***o

.

  • É, eu vi. Não sei pq ainda insisto em transmissão de TV aberta. Pelo que disseram, a da TV paga também não foi muito melhor.

  • Sei lá se os prêmios foram justos. Não vi nada dos indicados, então minhas escolhas sempre são pessoais. Johnny Depp sempre é nosso voto pra seja lá o que for (vote Johnny Depp para síndico do seu prédio), mas esse ano, por exemplo, achei que o Clooney merecia ganhar. Ele precisava de algo grandioso para superar a perda do seu porco de estimação. Ano passado ele não ganhou nada, então, tadinho.

  • Diablo Cody FTW. Bela moça, provavelmente bom roteiro (ainda não vi), boa história de vida e TEM BLOG. E era o único vestido diferentinho naquele mar de pretos, vermelhos e cores-de-pele.

  • Não vi Ratatouille, acho que vou amar, mas achei Persépolis a coisa mais linda que eu vi em ANOS. Como disse, não sei dizer se o prêmio foi justo ou não. Mas ver o povo do Gigante de Ferro ganhando algo é tipo Miss Japão virar Miss Universo para compensar a injustiça do ano anterior. Sempre vale.

  • Esqueceram o Pedro de Lara nas homenagens aos mortos do ano. Injustiça!

  • Nada a ver, mas é sério que a voz do Gigante de Ferro é do Vin Diesel? Hm, acho que ele não deve ser assim tão mala, afinal.

  • A ordem dos prêmios é sempre essa? Pq "Melhor Atriz" fica antes de "Melhor Documentário Curta Metragem"? Antes de milhares de prêmios técnicos, que são considerados menores? QUE NOJO. Alguém me diga, por favor, que não é sempre assim.

  • Trilha sonora e canção, nem quero falar. Éramos felizes com a trilha do Fievel e não sabíamos.

  • Fiquei feliz com a homenagem da Grobo à dubladora que morreu, Elisabeth Hart. É interessante ver o rosto de alguém de quem nós só conhecemos a voz.

  • Eu, como futura profetisa da humanidade, digo: dublador é o futuro.